Resumen

A Igreja Católica iniciou a sua longa história de condenação pública da maçonaria a 28 de Abril de 1738, quando o Papa Clemente XII (1730‑1740) proibiu os católicos de se tornarem membros de lojas maçónicas, através da bula In eminenti apostolatus specula, que assinalava a incompatibilidade entre o juramento e o segredo das obediências maçónicas e a condição de cristão integrado na Igreja Católica Romana. O edital de 28 de Setembro de 1738, publicado nos conventos e paróquias do reino e do império, resume o diploma da Inquisição portuguesa, no qual os católicos residentes em Portugal eram admoestados a confessar e denunciar ao Santo Ofício a existência de assembleias maçónicas. Nele era proibida a participação dos católicos nas referidas assembleias de pedreiros-livres, sendo ordenada inquirição em todos os lugares, por parte de bispos, prelados superiores e inquisidores, para identificação dos transgressores. Apesar destes factos históricos, este trabalho pretende mostrar que há registos da entrada de padres e bispos católicos na Maçonaria portuguesa desde meados do século XVIII. 

Palabras clave: Igreja Católica, Clero, Maçonaria, Anticlericalismo, Antimaçonismo, República, Catholic Church, Clergy, Freemasonry, Anti-Clericalism, Anti-Masonism, Republic