Resumen

Desenvolvo no presente artigo argumentos contra a interpretação de Mugnai da expressão eo ipso na sentença de Leibniz “Paris é amante e eo ipso Helena é amada” como um reduplicativo.