Resumen

Uma das vertentes do culto antoniano, de origem puramente portuguesa, reside no facto de se atribuir a Santo António um papel de relevo no campo militar, enquanto protector do exército português. A partir de meados do século XVII, deu-se início a esta tradição, que, com o apoio da monarquia e das instâncias militares, levou a que Santo António fosse alistado no exército português, no seio do qual se distinguiu, nomeadamente nas lutas contra castelhanos e franceses. As prestigiantes patentes e insígnias militares que lhe foram sendo outorgadas traduzem o êxito das acções militares em que se viu envolvido, contribuindo determinantemente para a defesa da soberania nacional. A partir do século XVIII, são conhecidos vestígios da faceta militar de Santo António posta ao serviço da coroa espanhola, sobretudo nas lutas contra mouros e franceses, assumindo-se igualmente como figura de relevo no processo de garantia da soberania.