Resumen

O pensamento judaico é um pensamento da urgência, e não de qualquer urgência: da urgência ética. Essa dimensão vai reunir e unir, apesar das incontáveis diferenças e particularidades, as construções especulativas ao longo da história da sabedoria judaica que o passado nos legou e, na contemporaneidade, especificamente no tumultuoso século XX. Com este texto pretendemos proceder a uma análise bastante sintética do encontro cultural entre os pensamentos classificados grosso modo como de matriz grega e judaica, a partir de um breve exame de dois textos de Levinas: o famoso “La Bible et les Grecs” e o prefácio a Difficile liberté. Ao fim e ao cabo, pretendemos, após esta errância histórico-filosófica levinasiana, reencontrar Adorno e sua proposição sempre recorrente, tentando inferir o que significa a “filosofia judaica” em termos de demanda ético-filosófica radical, na hora presente.