Actualidades Investigativas en Educación ISSN electrónico: 1409-4703

OAI: https://revistas.ucr.ac.cr/index.php/aie/oai
La pandemia de Covid-19 y el precario desarrollo del trabajo docente en Brasil
PDF (Português (Brasil))
XML (Português (Brasil))
EPUB (Português (Brasil))

Palabras clave

Covid-19
Education
Teachers
Precarious work
Covid-19
Educación
Docentes
Trabajo precario
Covid-19
Educação
Professores
Trabalho precário

Cómo citar

Pessanha, F. N. de L., & Trindade, R. A. C. (2022). La pandemia de Covid-19 y el precario desarrollo del trabajo docente en Brasil. Actualidades Investigativas En Educación, 22(2), 1–28. https://doi.org/10.15517/aie.v22i2.48916

Resumen

Este ensayo tiene como objetivo problematizar, en diálogo con los supuestos y concepciones marxistas del materialismo histórico dialéctico, la precariedad del trabajo docente en Brasil en las últimas décadas, con énfasis en los cambios causados por la pandemia de Covid-19. Como propuesta, buscamos una reflexión crítica sobre las influencias ideológicas, económicas y políticas en el trabajo docente, especialmente en las redes públicas de educación básica. Los análisis están referenciados en ofensivas capitalistas y neoliberales que plagan las condiciones del trabajo de la persona docente. Los argumentos revelan que algunos procedimientos prescritos al cuerpo docente (re)actualizan la precariedad en detrimento de los principios educativos y ontológicos del trabajo de quienes enseñan. Como conclusiones, destacamos que la precariedad del trabajo docente se debe a proyectos liberales y hegemónicos ya practicados antes de la pandemia y que, cada vez más, son ofensivos en la mercantilización de la educación y el vaciamiento del sentido político y ontológico del acto de educar.

https://doi.org/10.15517/aie.v22i2.48916
PDF (Português (Brasil))
XML (Português (Brasil))
EPUB (Português (Brasil))

Citas

Abilio, Ludmila Costhek. (22 de fevereiro de 2017). Uberização do trabalho: subsunção real da viração [Mensagem de um blog]. https://blogdaboitempo.com.br/2017/02/22/uberizacao-do-trabalho-subsuncao-real-da-viracao/

Anderson, Perry. (1995). Balanço do neoliberalismo. Em: Emir. Sader e Pablo. Gentili (Eds.), Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático (pp. 9-23). Paz e Terra.

Antunes, Ricardo. (2020). Coronavírus: o trabalho sob fogo cruzado. Boitempo.

Araújo, Heleno., Gouveia, Andrea., e Fabia, Miriam. (2020, 20 de maio). Trabalho Docente em Tempos de Pandemia: entre ataques e desvalorização. https://www.facebook.com/anped.educacao/videos/541157083429589

Bresser-Pereira, Luiz Carlos. (2015). Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, 47(1), 7-40. https://doi.org/10.21874/rsp.v47i1.702

Cahen, Michael., e Braga, Ruy. (2018). Anticolonial, pós (-) colonial, decolonial: e depois? Em: Michael. Cahen e Ruy. Braga (Eds.), Para além do pós (-) colonial. Alameda.

Carneiro, Waldeck. (2020). Pandemia e pós-pandemia: desafios à educação. https://www.facebook.com/341216022616408/videos/1070074190052901/

Colemarx. (2020). Em defesa da educação pública comprometida com a igualdade social: porque os trabalhadores não devem aceitar aulas remotas. Colemarx/UFRJ.

Constituição da República Federativa do Brasil. (1998). Brasília, D. F. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm.

Cunha, Luiz. (2016). O Projeto Reacionário de Educação. Luiz Antônio Cunha, publicação independente sem dia e mês. [Mensagem de um blog]. http://www.luizantoniocunha.pro.br/#

Emenda Constitucional (EC), Nº 95 de 15 de dezembro. (2016). Brasília, DF. planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc95.htm

Farage, Eblin. (15 de abril de 2020). Para quem serve o Ensino a Distância em tempos de pandemia? [Mensagem de um blog]. https://bit.ly/3DhPTyG

Fernandes, Florestan. (1972). Sociedade de Classes e Subdesenvolvimento. Zahar Editores.

Fernandes, Florestan. (2008). A revolução burguesa no Brasil: em ensaio de interpretação sociológica. Editora Globo.

Freire, Paulo. (2005). Pedagogia do Oprimido. Paz e Terra.

Frigotto, Gaudêncio. (2011). Os circuitos da história e o balanço da educação no Brasil na primeira década do século XXI. Revista Brasileira de Educação, 16(46), 235-254. https://doi.org/10.1590/S1413-24782011000100013

Frigotto, Gaudêncio. (2016). As novas e velhas faces da crise do capital e o labirinto dos referenciais teóricos. Em Gaudêncio Frigotto e Maria Ciavatta (Eds.), Teoria e Educação no Labirinto do Capital (pp. 45-86). Expressão popular.

Frigotto, Gaudêncio. (2017). A gênese das teses do Escola sem Partido: esfinge e ovo da serpente que ameaçam a sociedade e a educação. Em Gaudêncio Frigotto (Ed.), Escola "sem" partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira (pp. 17-34). UERJ, LPP.

Galeano, Eduardo. (2002). O livro dos abraços. L&PM.

Gentili, Pablo. (2016). Brasil: Estado de excepción. Em Pablo. Gentili (Ed.), Golpe en Brasil: Genealogía de una farsa (pp. 27-33). CLACSO.

Giroux, Henry. (1988). Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Editora Artes Médicas.

Instituto Brasileño de Geografía y Estadística (IBGE). (2020a, 19 de junho). Desemprego. https://www.ibge.gov.br/explica/desemprego.php

Instituto Brasileño de Geografía y Estadística (Ibge). (2020b, 01 de novembro). Taxa de desocupação no trimestre - novembro de 2020.: 14,1%. https://www.ibge.gov.br/busca.html?searchword=desemprego&searchphrase=all

Ipea. (2021, 12 de maio). A pandemia afetou mais o trabalho de mulheres, jovens e negros. https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=37963

Konder, Leandro. (2016). Limites e possibilidades de Marx e sua dialética para a leitura crítica da história neste início de século. Em Frigotto Gaudêncio e Maria Ciavatta (Eds.), Teoria e Educação no Labirinto do Capital (pp.157-182). Expressão popular.

Plano Nacional de Educação (PNE), Nº 13.005, de 25 de junho. (2014). Brasília, D.F. http://portal.mec.gov.br/

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN), Nº 9.394, de 20 de dezembro. (1996). Brasília, D.F. http://portal.mec.gov.br/.

Marx, Karl. (2006). Trabalho assalariado e capital & Salário, preço e lucro. Expressão Popular.

Mazza, Luigi., Amorozo, Marcos., e Buono, Renata. (2020, 12 de novembro). Pandemia do desemprego: o mapa da crise no Brasil. https://outraspalavras.net/outrasmidias/pandemia-do-desemprego-o-mapa-da-crise-no-brasil/

Mészáros, Istvan. (2002). Para além do Capital: rumo a uma teoria da transição. Boitempo.

Mészáros, István. (2008). A educação para além do Capital. Boitempo.

Molina, Frederico Rivas. (2020, 30 de setembro). América Latina: a contagem regressiva para a miséria. El País Brasil. https://outraspalavras.net/outrasmidias/america-latina-a-contagem-regressiva-para-a-miseria/

Neris, Gabriel. (2020, 23 de abril). Prefeitura de Corumbá reduz jornada, corta salários e muda gratificações. Campo Grande News. https://www.campograndenews.com.br/cidades/interior/com-queda-na-receita-prefeitura-readequa-gratificacoes-e-salarios

O Dia. (2020). Prefeitura de SG anuncia quitação com todas as 33 creches conveniadas. https://odia.ig.com.br/sao-goncalo/2020/10/6011931-prefeitura-de-sg-anuncia-quitacao-com-todas-as-33-creches-conveniadas.html

Oliveira, Dalila., e Junior, Edimilson. (2020). Desafios para ensinar em tempos de pandemia: as condições de trabalho docente. Em Dalila Andrade e Marcio Pochmann (Eds.), Devastação do trabalho: a classe do labor na crise da pandemia (pp. 207-228). Gráfica e Editora Positiva: CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação e Grupo de Estudos sobre Política Educacional e Trabalho Docente.

Oxfam. (2022). A desigualdade mata. Relatório. Oxfam Confederação Internacional. https://www.oxfam.org.br/justica-social-e-economica/forum-economico-de-davos/a-desigualdade-mata/.

Raquel, Martha. (2020, 10 de agosto). Quem são as pessoas que não têm acesso à internet no Brasil?. Brasil de Fato. https://www.brasildefato.com.br/2020/08/10/quem-sao-as-pessoas-que-nao-tem-acesso-a-internet-no-brasil

Silva, Amanda. (2019). A uberização do trabalho docente no Brasil: uma tendência de precarização no século XXI. Trabalho Necessário, 17(34), 229-251. https://doi.org/10.22409/tn.17i34.p38053

Silva, Amanda. (2020). Da uberização à youtuberização: a precarização do trabalho docente em tempos de pandemia. Revista Trabalho, Política e Sociedade, 5(9), 587-610. http://costalima.ufrrj.br/index.php/RTPS/article/view/698

SindSaúde. (2017, 27 de julho). PDV é criticado por servidores que aderiram ao programa nos anos 1990. https://sindsaude.org.br/noticias/na-midia/pdv-e-criticado-por-servidores-que-aderiram-ao-programa-nos-anos-1990/

Souza, Jessé. (2016). A radiografia do golpe. Leya Editora.

Tavares, Maria Tereza. (2016). Repensando o Vozes da Educação em São Gonçalo: desafios contemporâneos da formação de professores(as) em periferias urbanas. Em: Maria Tereza G. Tavares e Inês F. S. Bragança (Eds.), Vozes da educação 20 anos: memórias, políticas e formação docente (pp. 75-98). Intertexto.

Weffort, Francisco. (1996). Marx: política e revolução. Em Francisco. Weffort (Ed.), Os Clássicos da Política (pp. 5-11). Editora Ática.

Comentarios

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...