Resumen

La presente investigación pretende mapear la producción del conocimiento sobre Gimnasia Rítmica publicada en periódicos de América Latina, Caribe y países ibéricos. Para cumplir este fin, se eligió la propuesta de cuño exploratorio descriptivo, enumerando artículos indexados en las siguientes bases de datos: Scielo, Lilacs y Medline accedidos por medio de la interfaz de la Biblioteca Virtual de la Salud y Redalyc. Al final, el estudio encontró 48 artículos publicados en 27 revistas científicas diferentes, distribuidos en el período de 2001-2017. La temática que más despertó interés en los investigadores es relativa al Entrenamiento, correspondiendo al 41,67%. A pesar del predominio de dicho eje, se encontró una notoria pluralidad epistemológica que contempla: salud, aspectos psicológicos, aspectos educativos, y aspectos sociales, culturales e históricos. Se concluye, por lo tanto, la existencia de un escenario auspicioso para un área que pretende consolidarse científicamente, siendo necesaria la creciente de estudios amparados en las demás maneras de abordar el deporte, ascendiendo esas producciones cuantitativamente y cualitativamente.

Originada em meados de 1930, a Ginástica Rítmica (GR) atingiu sua regulamentação e reconhecimento pelo COI (Comitê Olímpico Internacional), mas como esporte olímpico apenas em 1984, e, consequentemente, sua primeira participação como modalidade competitiva somente nos Jogos de Los Angeles 1984 (Santos, Lorenço & Gaio, 2010). Salienta-se que essa modalidade ginástica possui dois tipos de provas, as individuais e as de conjunto, e que em 1984 somente as provas individuais fizeram parte do programa dos Jogos Olímpicos, já as provas de conjunto só foram incluídas em 1996, nos Jogos Olímpicos de Atlanta (USA). Assim, entende-se que como esporte a GR é relativamente jovem, posto que se tornou modalidade olímpica há apenas três décadas.

Com relação às competições, na atualidade, os países que mais se destacam mundialmente são os países da antiga União Soviética, Bulgária entre outros do leste europeu (Lourenço, 2015). Já o Caribe e os Países Ibero-Americanos só ganham notoriedade em esfera mundial nos Jogos Olímpicos de Barcelona em 1992, com uma medalha de prata espanhola no individual geral, e em Atlanta 1996, com o título olímpico nas provas de conjunto também da seleção hispânica. No caso da América Latina, Lourenço (2003) evidencia que somente a partir de 1999, nos XXII Jogos Pan Americanos em Winnipeg (Canadá), edição na qual o Brasil foi campeão, é que a região atingiu resultados significativos em âmbito internacional, acarretando em visibilidade da GR nessa parte do globo e, consequentemente, agregando praticantes em potencial à modalidade. A participação dos países caribenhos é até o presente momento simbólica, apesar de países como Cuba e Porto Rico também estarem presentes nas grandes competições mundiais. Nota-se, portanto, um cenário, de certa forma, promissor para o desenvolvimento da referida modalidade no contexto caribenho, latino e ibero americano, tornando importante evidenciar como a Ginástica Rítmica vem sendo pesquisada por pesquisadores destas localidades.

Nesse sentido, surge o interesse em investigar como essa modalidade esportiva vem sendo estudada na América Latina, Caribe e Países Ibéricos. Sendo assim, o presente artigo buscou responder à seguinte problemática de pesquisa: Qual o perfil da produção cientifica sobre Ginástica Rítmica em periódicos da América Latina, Caribe e Países Ibéricos? O objetivo geral consiste em traçar um panorama da produção científica escrita em periódicos da América Latina, Caribe e Países Ibéricos, sobre a modalidade Ginástica Rítmica. Já os objetivos específicos são: a) verificar o perfil temático das produções sobre Ginástica Rítmica na América Latina, Caribe e Países Ibéricos, b) evidenciar as autorias/coautorias e instituições, bem como suas redes de colaboração.

METODOLOGIA

Para composição do escopo da pesquisa foram eleitos artigos indexados nas seguintes bases de dados: Scielo (Scientific Electronic Library Online), Lilacs (Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde) e Medline (Medical Literature Analysis and Retrievel System Online) acessados por meio da interface da Biblioteca Virtual da Saúde (BVS-BIREME) e Redalyc (Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal). Esas bases foram selecionadas por apresentarem conteúdo abrangente em relação às indexações de diferentes periódicos, estes de diversificadas áreas do conhecimento, contemplando diferentes nações da América Latina, Caribe e Países Ibéricos.

Foram utilizados descritores em três idiomas: Espanhol, Inglês e Português. Os termos utilizados foram os seguintes: “Gimnasia rítmica”, “Gimnasia Rítmica deportiva”, “Sports Rhythmic Gymnastics”, “Rhythmic Gymnastics”, “Ginástica Rítmica”, “Ginástica Rítmica desportiva”. Em relação à temporalidade, a mesma não foi restringida, a fim de investigar as produções mais antigas sobre a temática, ou seja, foram selecionados artigos desde o primeiro ano encontrado nas bases elencadas, até agosto de 2017, período no qual se realizou a coleta dos materiais, restringindo, portanto, o presente estudo ao recorte temporal de 2001 à 2017. No que se refere a exclusão, os artigos duplicados e/ou encontrados em mais de uma base de dados foram considerados apenas uma vez, totalizando ao final 48 artigos.

A catalogação foi realizada em uma planilha eletrônica e utilizou-se das seguintes informações contidas nos artigos: a) autores; b) país da instituição; c) ano de publicação; d) revista; e) temática central do artigo. As informações relacionadas aos autores não localizadas no próprio artigo foram coletadas no Currículo Lattes e nas páginas online das universidades às quais se vinculam os pesquisadores. Torna-se importante salientar a vulnerabilidade da catalogação nas informações de alguns autores, visto que não estão cadastrados em plataformas de fácil acesso, dificultando a obtenção de suas informações profissionais.

A fim de identificar os enfoques temáticos dos artigos, realizou-se leitura preliminar e/ou completa dos trabalhos para posteriormente, baseando-se em estudo de Souza, Moraes e Silva e Moreira (2016), organizá-los em categorias que agrupassem os temas encontrados. Para tanto, a classificação em mais de um eixo foi necessária, tendo em vista a correspondência simultânea de determinados trabalhos com diferentes temáticas. Os artigos encontrados foram classificados dentro dos seguintes eixos temáticos:

Treinamento: espaços e equipamentos relacionados à performance, aspectos motores, fisiológicos, técnicos, táticos e biomecânicos relacionados ao rendimento;

Iniciação Esportiva e Categorias de Base: metodologia de ensino, aprendizagem motora, treinamento de jovens atletas e seleção de talentos esportivos;

Saúde: promoção, manutenção e reabilitação da saúde, lesões e patologias;

Aspectos Sociais, Culturais e Históricos do Esporte: aspectos sociológicos, antropológicos e históricos relacionados com o esporte (discussões sobre temáticas tais como gênero, mídia, marketing, violência, valores, etc.);

Aspectos Nutricionais: perfil dietético e suplementação alimentar.

Para a exposição dos resultados da pesquisa, primeiramente apresenta-se os números gerais, especificando a quantidade de publicações sobre a Ginástica Rítmica cronologicamente e sua distribuição nos periódicos. Em seguida evidenciam-se os autores e instituições com maior produtividade, e, por fim, ocorre um detalhamento dos assuntos abordados em cada um dos eixos temáticos.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Com base nos dados levantados, a seguir apresenta-se a distribuição dos 48 artigos encontrados durante a periodicidade constatada (2001-2017), conforme o gráfico abaixo (Tabela 1):

Tabela 1 Número de artigos publicados por ano - Sistematizado pelos autores Tabela 1 Número de artigos publicados por ano - Sistematizado pelos autores Fonte: elaboração própia

O ano de 2016 foi o ano com maior número de publicações, correspondendo a 16,67% (oito artigos), logo em seguida aparece o de 2012 com sete artigos, e 2013 e 2015, ambos com um total de seis publicações. Como se pode observar, existe uma lacuna entre os anos 2001 e 2005, períodos que também apresentam baixa produção acerca da modalidade. Contudo, a distribuição é relativamente proporcional em cada ano, atingindo uma crescente a partir do ano de 2012. Em relação à baixa produção constatada em 2017, pressupõe-se o atraso nas publicações de seus volumes, comprometendo a cronologia da publicação e/ou o caso dos periódicos ainda não disponibilizarem seus artigos nessas bases até o período final da catalogação.

Para evidenciar as publicações e a distribuição dessas nos periódicos em questão, a tabela a seguir (Tabela 2) mostra a quantidade de artigos publicados por cada revista:

Tabela 2 Revistas que publicaram artigos sobre ginástica rítmica - Sistematizado pelos autores Tabela 2 Revistas que publicaram artigos sobre ginástica rítmica - Sistematizado pelos autores Fonte: elaboração própia

Na Tabela 2 estão os 11 periódicos que publicaram mais de um artigo sobre a temática; 16 periódicos publicaram somente um artigo. A Revista Brasileira de Educação Física e Esporte possui a maior quantidade de manuscritos, contabilizados seis artigos. Na sequência, a Revista Brasileira de Medina do Esporte com cinco textos, a Revista Brasileira de Ciência e Movimento com quatro manuscritos e a revista Pensar a Prática com três artigos. Em seguida aparecem os periódicos com apenas dois artigos em suas páginas: Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Motriz, International Journal of Morphology, Acta Scientiarum Health Sciences, Revista da Educação Física, Fitness e Performance Journal e Revista Andaluza de Medicina del Deporte.

Torna-se importante salientar que desse total de 27 revistas, sete são espanholas com total de oito publicações referentes ao tema (Journal of Human Sport and Exercise, Nutrición Hospitalaria, Revista de Investigacion, Motricidad. European Journal of Human Movement, Revista de Psicologia del Deporte, Revista Iberoamericana de Psicología del Ejercicio y el Deporte, Revista Andaluza de Medicina del Deporte). Apenas uma é colombiana com um estudo (Revista de Salud Publica), uma mexicana com um artigo (Ra Ximhai) e uma chilena com duas publicações (International Journal of Morphology). Essas revistas, que contabilizam ao todo 12 manuscritos sobre a modalidade, enquanto as revistas brasileiras (17) compõem-se de 36 textos, evidenciado a predominância do Brasil em relação à quantidade de periódicos e publicações.

Essa discrepância a respeito das produções, também pode ser notada ao observar a quais instituições os autores estavam vinculados e suas respectivas nacionalidades, conforme indica o gráfico abaixo:

Tabela 3 Países das instituições, às quais os autores que produziram sobre a GR estavam vinculados (de acordo com informações retiradas do próprio artigo/plataformas online). Tabela 3 Países das instituições, às quais os autores que produziram sobre a GR estavam vinculados (de acordo com informações retiradas do próprio artigo/plataformas online). Fonte: elaboração própia

O Brasil apresenta um número significativo de instituições com vinculação dos pesquisadores que publicaram sobre o tema, contabilizando 35 instituições (66,04%). Em seguida, a Espanha com oito instituições, e Portugal e Venezuela com duas instituições. Com apenas uma instituição, aparecem os seguintes países: França, Cuba, México, Canadá, Chile e Estados Unidos.

A França, o Canadá e os Estados Unidos, países localizados fora da delimitação espacial estabelecida para este artigo, possuem autores vinculados a uma instituição cada, porém a publicação de seus trabalhos sobre a Ginástica Rítmica foi realizada em revistas brasileiras. Com publicação na Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, a pesquisadora Monique Loquet, é ligada à Universidade de Rennes, na França (Loquet, 2016). O brasileiro Marcos Alencar Abaide Balbinotti, coautor do texto publicado na revista Pensar a Prática, é docente vinculado à Universidade do Quebec em Trois-Rivières – Canadá (Fontana, Barbosa, Balbinotti & Balbinotti, 2013). Por fim, a Revista Brasileira de Ciência e Movimento tem em suas páginas o manuscrito da também brasileira Priscila Martins Caçola, vinculada à Texas A&M University, localizada nos Estados Unidos (Caçola & Ladewig, 2007).

A próxima análise discorre sobre os autores e coautores que mais produziram sobre a modalidade.

Tabela 4 Top 6 autores e coautores com mais de una publicação-Sistematizado pelos autores Tabela 4 Top 6 autores e coautores com mais de una publicação-Sistematizado pelos autores Fonte: elaboração própia

Lenamar Fiorese é a pesquisadora com o maior número de artigos publicados. A referida autora é docente da Universidade Estadual de Maringá, instituição na qual atua também como professora do Programa de Pós-Graduação Associado em Educação Física - Universidade Estadual de Maringá/Universidade Estadual de Londrina. As linhas de pesquisas desenvolvidas pela pesquisadora são as seguintes: aprendizagem e desenvolvimento motor, aspectos psicopedagógicos da Educação Física e do Esporte, esporte e desempenho motor. Sua forma de abordar o objeto de pesquisa é herdada de sua formação advinda de suas graduações em Educação Física em 1982 e Psicologia em 2010. A mesma possui mestrado (1993) e doutorado (1999) em Educação Física. Além de sua carreira acadêmica, é imprescindível mencionar sua relação direta com a esfera da GR, visto que desde de 2000 é assessora da seleção brasileira da modalidade, vínculo esse que pode ter repercutido na predominância de suas produções sobre o tema, publicando um manuscrito em cada um dos seguintes periódicos: Acta Scientarum Health Sciences (Vieira, Botti & Vieira, 2005), Motriz ( Vieira, Vieira, Amorim, Amorim & Rocha, 2009), Revista Brasileira de Medicina do Esporte (Vieira, Vieira, Amorim, Amorim & Rocha, 2009) e Pensar a Prática (Nakashima, Nascimento Junior & Vieira, 2012).

Na sequência aparece Luciana de Souza Menezes, com três artigos. Mestre pela Universidade Castelo Branco em 2004 e doutora em Ciências do Desporto pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Portugal (2012), tem uma trajetória estreita com o esporte. Sua dissertação versa sobre aspectos biológicos de atletas de GR e a tese sobre o perfil morfológico de ginastas. Atualmente é professora adjunta do Instituto de Educação Física e Desportos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Seus artigos encontram-se nas seguintes revistas: Fitness e Performance Journal (Menezes & Fernandes Filho, 2006), Revista de Salud Publica (Menezes, Novaes & Fernandes Filho, 2012), International Journal of Morphology (Menezes, Novaes & Fernandes Filho, 2014).

O professor José Fernandes Filho possui mestrado, obtido em 1989 na Universidade de Ribeirão Preto e doutorado também em Educação Física pelo Instituto de Investigação Científica de Cultura Física e Esportes da Rússia, em 1997. O pesquisador é vinculado à Escola de Educação Física e Desporte da Universidade Federal do Rio de Janeiro e do Programa de Pós-Graduação em Educação Física da mesma instituição. O mesmo também produziu três artigos juntamente com Luciana de Souza Meneses, que foi sua orientanda de mestrado.

Também com três artigos aparece Rodrigo Franco de Oliveira. O investigador é graduado em Fisioterapia pela Faculdade Claretiana de Batatais (1988), mestre em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília (2001) e doutor em Engenharia Biomédica pela Universidade do Vale do Paraíba (2008). Atualmente é docente do Centro Universitário de Anápolis, e membro da comissão à qual se incumbiu a elaboração e implantação do Curso de Pós Graduação Stricto Sensu e Mestrado Profissional em Exercício Físico na Promoção de Saúde, na área de Educação Física, da Universidade Norte do Paraná. As respectivas produções são resultado de coautorias, contabilizando um texto em cada uma das seguintes revistas: Unopar Cientifica Ciências Biológicas e da Saúde (Guiotte et al, 2012), na Revista Brasileira de Medicina do Esporte (Lamb et al., 2014) e na revista Conscientiae Saúde (Hirata & Oliveira, 2015).

O pesquisador André Wilson de Oliveira Gil, tem coautoria em três artigos, dois deles juntamente com Rodrigo Franco de Oliveira e de mais um na Revista Brasileira de Medicina do Esporte (Shigaki et al., 2013). Gil é graduado pela Universidade Norte do Paraná (2011) e mestre (2014) em Fisioterapia (Unopar). Atualmente é doutorando no Programa da Educação Física UEM/UEL.

O último pesquisador com três manuscritos é José Luiz Lopes Vieira. Possui mestrado (1993) e doutorado (1999) pela UFSM em Educação Física. Vieira é professor da Universidade Estadual de Maringá e do Programa de Pós-Graduação em Educação Física UEM/UEL. Suas linhas de pesquisa são relacionadas ao desenvolvimento motor e psicologia do esporte e do exercício físico. Atualmente é Editor do Journal of Physical Education (antiga Revista da Educação Física/UEM). Quanto aos trabalhos acerca da modalidade, foram produtos de pesquisas coletivas realizadas com Lenamar Fiorese Vieira. Os artigos publicados na revista Motriz (Vieira, Vieira, Amorim, Amorim & Rocha, 2009) e na Revista Brasileira de Medicina do Esporte (Vieira, Vieira, Amorim, Amorim & Rocha, 2009) e na Acta Scientarum Health Sciences (Vieira, Botti & Vieira, 2005).

Ao analisar as autorias e coautorias é perceptível uma intensa rede de colaboração, visto que os autores que possuem a maior quantidade de artigos sobre a GR os produzem conjuntamente. No gráfico abaixo, pode-se ilustrar essa tendência de produção em parceria:

Figura 1 Número de autores e coautores por artigo – Sistematizado pelos autores Figura 1 Número de autores e coautores por artigo – Sistematizado pelos autores Fonte: elaboração própia

Foram encontrados somente três artigos com um único autor, sendo 6,25% de todos os manuscritos catalogados, e os mesmos são de autorias diferentes. A predominância da rede de colaboração entre pesquisadores nos artigos é notável, visto que 13 produções foram realizadas por dois autores, em seguida, 12 escritos por três pesquisadores. Com quatro autores há a correspondência de sete manuscritos, assim como a associação de cinco colaboradores que também contabilizam sete. Dois textos com oito autores, e outros dois com seis envolvidos. Por fim, tem-se um artigo com seis membros, e outro contendo a participação de 10 pesquisadores. Essa tendência em publicar de forma conjunta pode ser explicada, segundo aponta Garcia, Martrucelli, Rossilho, Denardin, (2010), por um maior status, custeamento de pesquisas e legitimação dentro do meio acadêmico. Afinal, a materialização de um capital nessa esfera acontece através da produção científica, e, portanto, a forma mais recorrente de obter uma eficiência dessa produtividade advém da parceria entre pesquisadores, principalmente das denominadas coautorias.

Leta e Cruz (2003) indicam que as coautorias podem ser indiciadoras de associação cientifica entre países, instituições e pesquisadores. Segundo Garcia et al. (2010) esses cientistas visam diversos e complexos propósitos, que vão além da expansão do conhecimento científico, pois permitem que o pesquisador possa ter sua produção avaliada, visto que a autoria é usada como critério para a concessão de recursos pelas agências de fomento, além de ser uma ferramenta de avaliação dos cursos de pós-graduação e um parâmetro para a seleção de corpo docente e da equipe de pesquisa. Evidencia-se que nas pesquisas referentes à GR está presente essa rede de colaboração, em que diversos autores – principalmente os que mais produziram – utilizam-se dessa estratégia no seu fazer científico.

A diversidade epistemológica no fazer científico sobre GR é manifestada nas temáticas abordadas e classificadas, conforme aponta a tabela a seguir:

Tabela 5 Quantidade de artigos por eixos temáticos: Sostematizados pelos autores. Tabela 5 Quantidade de artigos por eixos temáticos: Sostematizados pelos autores. Fonte: elaboração própia

O eixo Treinamento foi o mais recorrente, totalizando 20 artigos (41,67%). Saúde (8,33%), Iniciação Esportiva e Categorias de Base (8,33%), Aspectos Nutricionais (8,33%) e artigos classificados em Saúde/Treinamento (8,33%) cada um com quatro artigos, intensificam a preeminência epistemológica das Ciências Naturais, totalizando 74,99%. As demais temáticas: Aspectos Psicológicos contendo quatro manuscritos (8,33%), Aspectos Educacionais com três (6,25%), Aspectos Sociais, Culturais e Históricos contabilizado também com três escritos (6,25%) e Aspectos psicológicos/Treinamento apresentando dois trabalhos (4,17%), esses que contemplam especificidades da psicologia em prol da melhora da performance. Ao total, soma-se 25% da produção encontrada.

Ao analisar os dados, é perceptível a inclinação dos estudos às Ciências Naturais, visto que, em periódicos da área de Educação Física existe uma tendência de publicações estarem ligadas às vertentes biológicas, afirmação constatada em estudos anteriores de Manoel e Carvalho (2011) e Rigo, Ribeiro e Hallal (2011). A predisposição confere com a tradição epistemológica da área de Educação Física próxima das Ciências Biológicas, corroborando com o número superior de pesquisadores dessa área e, consequentemente, à superioridade em número de periódicos e publicações em relação às Ciências Humanas.

O eixo Treinamento apresenta abordagens acerca da preparação física e aptidão física das atletas de Ginástica Rítmica. Versa sobre características e qualidades físicas/biológicas/fisiológicas da s atletas, análises de equilíbrio, maturação biológica e métodos de treinamento, sobre a influência da flexibilidade e do treino de força na execução dos movimentos característicos da modalidade, e analisa a promoção da qualidade artística na GR tanto no treinamento de alta performance quanto na prática escolar. Assim, em sua totalidade, observou-se que na categoria de treinamento a frequência de análise acerca de exercícios para força e flexibilidade foram evidentes, além de constar proposta de protocolo ou metodologia nas pesquisas para o tipo de treinamento.

A título de exemplo destaca-se o estudo de Ramos e Velásquez (2006), onde os autores elaboraram um sistema de orientações metodológicas para a preparação física (força) específico para a modalidade da GR, composto por três grupos fundamentais de exercícios: preparação geral, tendo o circuito como principal exemplo; os exercícios auxiliares; e os específicos. No estudo esmiunça-se os benefícios do treinamento de força, além de fornecer subsídio para a realizar a preparação, demonstrando quão eficaz foi seu protocolo. Para o treinamento de flexibilidade, o estudo de Karloh et al (2010) realizou testes em que o Grupo 1 que treinou com o método Mulligan (Long Leg Traction) obteve ganhos estatisticamente significativos superiores que o Grupo 2 que usou o alongamento estático. Para complementar e reafirmar a importância que alguns estudos que compõem esse eixo dão ao treinamento de força e flexibilidade, Silva et al (2016), com uma intervenção composta por exercícios específicos, concluíram que o trabalho específico de força e flexibilidade pode influenciar de forma positiva no treinamento de GR, especialmente nos saltos, que demandam uma boa elevação do corpo, além de atingir amplitude de movimento no período de voo. Portanto, percebe-se uma inclinação dos artigos em verificar possíveis relações do melhoramento de determinadas capacidades físicas e/ou habilidades motoras na performance de praticantes da modalidade.

Esses 20 artigos são encontrados nos seguintes periódicos: Fitness e Performance Journal (Penedo, Beltrão & Nunes, 2006; Menezes & Fernandes Filho, 2006) Ra Ximhai (Mena-Ramos & Álvarez-Velásquez, 2006) Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano (Karloh, Petry, Kraeski, Matias & Frutuoso, 2010), Arquivos de Ciências da Saúde da Unipar (Gonçalves, Barros Filho & Gonçalves, 2010), Motricidad. European Journal of Human Movement (Vernetta, Fernández, López-Bedoya, Gómez-Landero & Oña, 2011), Revista Brasileira de Ciência e Movimento (Pinto Júnior, Sousa, Gaya & Alves, 2012; Del Vecchio, Primeira, Silva, Dall’agnol & Galliano, 2014), Revista de Salud Publica (Souza Menezes, Novaes & Fernandes-Filho, 2012), Revista Brasileira de Medicina do Esporte (Perin, Ulbricht, Ricieri & Neves, 2012; Shigaki et al., 2013), Journal of Human Sport and Exercise (Bobo-Arce & Méndez-Rial, 2013), Revista Brasileira de Educação Física e Esporte (Goulart et al 2014; Santos, Lebre & Carvalho, 2016; Loquet, 2016), International Journal of Morphology (Menezes, Novaes & Fernandes-Filho, 2014; Arriaza et al 2016), Revista Andaluza de Medicina del Deporte (Guimaraes-Ribeiro, Hernández-Suárez, Rodríguez-Ruiz & García-Manso, 2015), Acta Scientarum Health Sciences (Boligon, Deprá, & Rinaldi, 2015) e Revista Saúde e Pesquisa (Silva, Oliveira, Leme, Nascimento Júnior & Anversa, 2016). (Error 1: La referencia debe estar ligada) (Error 2: El tipo de referencia es un elemento obligatorio) (Error 3: No existe una url relacionada) (Error 4: La referencia debe estar ligada) (Error 5: El tipo de referencia es un elemento obligatorio) (Error 6: No existe una url relacionada) (Error 7: La referencia debe estar ligada) (Error 8: El tipo de referencia es un elemento obligatorio) (Error 9: No existe una url relacionada)

Os quatro escritos classificados no eixo Saúde contam com estudos sobre: avaliação física funcional, histórico e análise de lesões, desequilíbrios hormonais em atletas da GR e análise dos aspectos nutricionais, antropométricos e psicológicos em ginastas da modalidade. As lesões mais recorrentes analisadas foram musculares e tendinosas, com a predominância de dores nas costas – aspecto que deve ser levado em consideração para melhorar a prevenção. Portanto, no que se diz respeito a este eixo temático, nota-se uma tendência por parte dos pesquisadores em se utilizar da modalidade aqui estudada como ferramenta para análises de fatores que não condizem diretamente com o momento do treinamento e da competição, mas com as condições que regulam a manutenção física do praticante.

Essas pesquisas se encontram nas revistas: Unopar Científica Ciências Biológicas e da Saúde (Guiotte et al., 2012), Revista Brasileira de Ciências do Esporte (Coelho, Simões & Lunz, 2015), Revista Andaluza de Medicina del Deporte (Vernetta, Montosa & Lopez-Bedoya, 2016), Nutrición Hospitalaria (San Mauro Martin, Cevallos, Pina Ordunez & Garicano Vilar, 2016).

Com quatro artigos, a classificação Iniciação Esportiva e Categoria de Base contempla os seguintes assuntos: estudo de revisão sobre a detecção e seleção de talentos esportivos na GR, a comparação de métodos na aprendizagem de uma habilidade específica da modalidade e efeitos do feedback no treinamento, e por fim, a investigação da influência dos programas de iniciação esportiva no desempenho e desenvolvimento de habilidade para a maestria. Lanaro Filho e Böhme (2001) abordam a necessidade de caracterizar cineantropometricamente as ginastas de alto rendimento em diferentes faixas etárias, com a finalidade de se obter indicadores, que possam servir de referenciais para se estimar quais as reais chances das ginastas iniciantes alcançarem o alto nível de desempenho esportivo – e não mais basear-se em escolhas subjetivas sem base científica. Neste eixo temático, encontrou-se uma predisposição pelos investigadores em utilizar-se da iniciação esportiva para detectar talentos, averiguar a evolução técnica, tática e física dos jovens praticantes nas mais variadas idades. Esses estudos encontram-se na Revista Brasileira de Educação Física e Esporte (Lanaro Filho & Böhme, 2001; Lemos, Chiviacowsky, Avila & Drews, 2013), Revista Brasileira de Ciência e Movimento (Caçola & Ladewig, 2007) e Revista da Educação Física/UEM (Sampaio & Valentini, 2015).

A temática Aspectos Nutricionais, também com um total de quatro manuscritos, explora predominante estudos sobre distúrbios alimentares e suas consequências, influência no crescimento físico das ginastas, distorção de imagem corporal em competições, estudo da composição corporal e risco de transtorno de conduta alimentar em atletas da modalidade do estado de Carabobo (Venezuela). A abordagem diferencial foi acerca da utilização de bebida artesanal como forma de suplementação em atletas da GR.

Por ser uma modalidade que sua eficiência depende, de certo modo, de um baixo peso, muitas atletas acabam desenvolvendo um desequilíbrio entre ingestão de nutrientes e exercício físico, além de possível risco de desordem de comportamento alimentar. Aqui identifica-se que é unânime entre os interessados em estudar o respectivo eixo a preocupação para com o impacto que os hábitos nutricionais geram no desenvolvimento e composição corporal das ginastas. Os artigos se materializaram na Revista Brasileira de Medicina do Esporte (Vieira, Vieira, Amorim, Amorim & Rocha, 2009), Motriz (Vieira, Vieira, Amorim, Amorim & Rocha, 2009), Salus (Palacios De Espig & Jaeger, 2016) e na Revista Brasileira de Ciências do Esporte (Costa et al., 2017).

Os artigos enquadrados tanto no eixo de Saúde como no de Treinamento, obtiveram essa classificação por apresentarem assuntos com a finalidade de melhora de performance, mas com um viés de tratamento e prevenção de futuras lesões. Contém os manuscritos que remetem à análise postural das atletas como medida preventiva e de auxílio para melhor desenvolvimento dos movimentos e importante como medida profilática para identificar os possíveis desalinhamentos posturais e prevenir alterações posturais que possam vir a acontecer, análise de equilíbrio e como as lesões decorrentes da demanda das alterações posicionais do membro inferior podem ser evitadas, além de pesquisas a respeito do treinamento proprioceptivo e seus efeitos na prevenção de lesões de ginastas. Percebe-se que, de forma geral, os pesquisadores interessados nestas discussões utilizam-se dos fatores voltados a saúde como meios de impulsionar a performance durante o treinamento e competições. Tais escritos estão na Revista Brasileira de Medicina do Esporte (Bosso & Golias, 2012; Lamb et al., 2014), Revista Brasileira de Ciência e Movimento (Golias, 2012), e na Conscientiae Saúde (Hirata & Oliveira, 2015).

A temática Aspectos Psicológicos contempla artigos que versam sobre fatores motivacionais compostos pelo gosto pela prática, estabelecimento de metas e estressantes condizentes com o baixo rendimento escolar, discordâncias e conflitos, falta de tempo para divertimento presentes no âmbito competitivo e na arbitragem. A participação e influência dos pais na carreira esportiva, e a avaliação e análise de habilidades psicológicas presentes em atletas da ginástica rítmica também fizeram parte do escopo. Nesta temática nota-se uma propensão por parte dos investigadores em pesquisar como determinadas características psicológicas influenciam na formação dos praticantes da referida modalidade. Tais textos pertencem aos seguintes periódicos: Acta Scientarum Health Sciences (Vieira, Botti & Vieira, 2005), Revista Iberoamericana de Psicología del Ejercicio y el Deporte (Sánchez, Márquez &, 2010), Pensar a Prática (Nakashima, Nascimento Junior & Vieira, 2012), Revista da Educação Física/UEM (Debien, Noce, Debien & Costa, 2014).

Os Aspectos Educacionais englobam assuntos referentes à formação profissional das técnicas/professoras de GR e a ginástica rítmica como conteúdo escolar. De forma geral, tais artigos buscam enfatizar a importância da formação de bons profissionais para o desenvolvimento esportivo, assim como uma necessidade de maior contato por parte dos estudantes com a modalidade no âmbito escolar. Os estudos estão nas páginas da revista Motriz (Belão, Machado & Mori, 2009), Pensar a Prática (Oliveira & Porpino, 2010), Revista Internacional de Medicina y Ciencias de la Actividad Física y el Deporte (Amengual & Lleixà, 2011).

Os três artigos com foco temático em Aspectos Sociais, Culturais e Históricos trazem em si as análises dos códigos de pontuação de GR, evidenciando mudanças históricas das técnicas e dos aspectos artísticos. Também apresenta um estudo que investiga as relações entre beleza, sofrimento e dor na ginástica rítmica, numa perspectiva filosófica. Evidencia-se que os trabalhos do referido eixo, se debruçam a entender como se deu a construção histórica da referida modalidade por diversas vias socioculturais. Os escritos estão vinculados à Revista de Investigacion (Mejías & Maria, 2013), Holos (Cavalcanti & Porpino, 2015) e a Revista Brasileira de Educação Física e Esporte (Toledo & Antualpa, 2016).

Publicados na revista Pensar a Prática (Fontana, Barbosa, Balbinotti & Balbinotti, 2013) e na Revista de Psicologia del Deporte (Álvarez, Falco, Estevan, Molina-García & Castillo, 2013), os artigos vinculados tanto ao eixo Aspectos Psicológicos como ao Treinamento tratam de assuntos relacionados às contribuições da motivação ao rendimento e análise da intervenção de psicólogos em uma equipe de ginástica rítmica. Tais estudos buscam relacionar os possíveis benefícios de intervenções motivacionais com o rendimento durante o treinamento das praticantes de Ginástica Rítmica.

Embora as pesquisas sejam predominantes no eixo Treinamento, é incontestável a diversidade existente no material analisado. Esse fato ocorre devido à contribuição de inúmeros pesquisadores da Educação Física que transitam em outras áreas, e estudiosos de áreas distintas que se dedicam a explorar aspectos relacionados ao esporte.

Considerações Finais

O presente artigo buscou traçar o perfil da produção científica sobre Ginástica Rítmica contidos nos periódicos da América Latina, Caribe e Países Ibéricos. Esse conjunto de países foi escolhido devido ao crescente desenvolvimento da modalidade. Torna-se pertinente a realização do estudo na referida área geográfica pelo fato de que se comparado aos países hegemônicos na modalidade (Rússia, Bulgária, Ucrânia Bielorrússia e Itália), as nações da América Latina, Caribe e Ibéricos vêm aos poucos ganhando espaço no cenário competitivo. Nesse sentido, analisar como a Ginástica Rítmica vem se desenvolvendo no universo científico na respectiva delimitação espacial se torna importante para poder fomentar maiores discussões acerca da prática, contribuindo diretamente no incentivo para que pesquisadores interessados neste objeto iniciem novas pesquisas.

Com isto, buscou-se identificar como a modalidade foi estudada pelos pesquisadores na periodicidade delimitada entre os anos de 2001 a 2017. Torna-se pertinente advertir sobre as limitações práticas do estudo apresentado, uma vez que foram utilizados somente artigos publicados em periódicos latino-americanos, caribenhos e de países ibero-americanos. Ainda mais se considerar a comunidade científica em um contexto em que a internacionalização é algo incontestável e que a utilização de bases de dados mais abrangentes alteraria a metodologia e resultados da pesquisa. Logo, entende-se que um novo desenrolar para pesquisas neste cunho são possíveis comparações entre os achados acerca da modalidade nas mais distintas localidades, bem como um olhar para outros produtos, como por exemplo, as dissertações e teses. Outra recomendação diz respeito a elaboração de novas categorias temáticas, afinal para este utilizou-se o olhar de outros pesquisadores, entende-se, portanto, que com novas perspectivas poderão emergir novos eixos temáticos.

Ao fim, o estudo encontrou 48 artigos publicados em 27 periódicos diferentes, dos quais 17 são brasileiros (total de 36 estudos), sete espanhóis (com oito manuscritos), um chileno com dois textos, e as revistas colombiana e mexicana com um artigo cada. Dessas, tem predominância de publicações a Revista Brasileira de Educação Física e Esporte com seis manuscritos, a Revista Brasileira de Medicina do Esporte com cinco, a Revista Brasileira de Ciência e Movimento com quatro, e a Pensar a Prática contendo três escritos. As outras 26 revistas contavam com um ou dois artigos cada. A temática que mais despertou interesse nos pesquisadores é relativa ao Treinamento, correspondendo a 41,67% de toda a produção científica encontrada sobre a GR.

Apesar do predomínio do referido eixo, é notória a pluralidade epistemológica no fazer ciência sobre Ginástica Rítmica na América Latina, Caribe e Países Ibéricos, visto que foi contemplada por diversificados enfoques epistemológicos. Mostra-se, portanto, um cenário auspicioso para uma área que pretende consolidar-se cientificamente, sendo necessária a crescente de estudos amparados nas demais maneiras de se abordar o esporte, ascendendo essas produções quantitativamente e qualitativamente. Sinaliza-se aqui a importância prática deste trabalho, afinal acredita-se que com o mesmo é possível a emergência de novos estudos nos mais variados eixos temáticos, inclusive com perspectivas epistemológicas distintas das localizadas nestes estudos.

Em relação ao modelo de produção dos artigos, constatou-se a existência da rede de colaboração de autores através do número de autores/instituições que cooperaram entre si. Tendência esta já evidenciada em estudos anteriores de Garcia et al. (2010) como próspera para os pesquisadores e para o âmbito científico. No que se refere ao país da instituição em que os autores estavam vinculados, o Brasil apresentou superioridade, contabilizando 35 instituições. Em seguida a Espanha com oito instituições e Portugal e Venezuela apresentaram duas cada. Com apenas uma instituição associada, os países: França, Cuba, México, Canadá, Chile e Estados Unidos. Observa-se que o fato da maioria dos estudos serem do Brasil e da Espanha possa ter uma direta relação desses serem os países dentro da delimitação espacial com maior destaque nos resultados de competições mundiais. Sendo assim, pode-se inferir que o universo das pesquisas e do avanço competitivo esteja relacionado, existindo na área o início de uma aproximação do fazer científico com o profissional.

Portanto, considera-se que o presente estudo pode apresentar uma contribuição para a comunidade acadêmica, apontando o modus operandi relativo à produção do conhecimento acerca da Ginástica Rítmica, incentivando uma maior produção sobre a temática nas suas diversas vertentes passíveis de investigação. Conclui-se que esse estudo oferece subsídios metodológicos práticos para ampliar o entendimento sobre o atual quadro da produção do conhecimento acerca da GR na América Latina, Caribe e Países Ibéricos e os dados apresentados, tal como a compreensão dos mesmos, o que pode contribuir como fomento de conhecimento. Afinal, compreende-se que com este escrito pode-se instigar os pesquisados interessados no tema para que iniciem novos estudos, principalmente no que se diz respeito às temáticas com menores incidências. Sinaliza-se também a necessidade prática, assim como afirma Lourenço (2003), de mais pesquisas que possam efetivamente contribuir com o trabalho daqueles que fazem a modalidade cotidianamente acontecer.